PT   EN   

  AGROBIO [PT] > AGROBIO > Notícias Agrobio > Catassol

 Mural dos Associados



Noticias Classificados

  

Associada Cláudia Villax lança livro «A Vida Virgem Extra»

Porque o azeite é a melhor superfood do mundo!E vai descobrir o porquê neste livro, que começa no solo e no olival, acabando na mesa com receitas simples e saborosas.

Quinta dos Medronheiros cria parceria Bio com Associação Portuguesa de Asperger

Pretende-se o envolvimento dos jovens nas atividades de horticultura, poder levar até à comunidade de Benfica a possibilidade de consumir produtos biológicos certificados sem ter que se deslocar para fora da freguesia. 


Catassol

Na sequência desta quase obsessão para detetar utilidades nas ervas silvestres espontâneas, tenho andado há um rol de tempo a tentar “meter conversa” com o catassol, reles planta ruderal que cresce por todo o lado, à beira dos caminhos, nos campos cultivados e mesmo em zonas urbanas onde surge uma nesga de terreno livre. O facto é que estou cada vez mais convicto de que todas as plantas podem ser úteis ao ser humano. Nalgumas, essas utilidades encontram-se plena ou parcialmente identificadas. Noutras, a maioria, ainda não. Neste entretém, aguço a curiosidade, e dedico-me, à minha maneira, a pesquisar, a investigar, a tentar descobrir. Esta motivação de simples amador (entenda-se: aquele que ama) leva-me a observar, a experimentar, a procurar saber mais e a surpreender-me face à fenomenologia de cada ser vegetal.

 

 I996-CATASSOL.JPG

 

O catassol é uma Quenopodiácea que dá pelo nome científico de Chenopodium album. A família das Quenopodiáceas é numerosa e tem alguns membros consagrados como é o caso da erva-formigueira, Chenopodium ambrosioides, a qual já mereceu uma croniqueta (ver “As Plantas Nossas Irmãs”) ou a Chenopodium bonus-henricus que um dia há de também integrar o meu “inventário”. Mas valha a verdade que se diga que o catassol, erva daninha e mal cheirosa não me pareceu, à partida, que tivesse algum préstimo. Quis no entanto o destino que, quando estive na Escócia, me viesse parar às mãos um livrinho de bolso denominado “Food for Free”. Pois no tal livrinho aparece em destaque a “Fat-hen”, ou seja, “galinha-gorda”, nome popular do catassol na língua anglo-saxónica. Deram-lhe também o nome de “melde”, o qual entrou na toponímia local de muitas povoações e até foi levado para a Austrália, dando origem à cidade de Melbourn.

 

A “Fat-hen”, como hortaliça comestível desempenhou, ao longo da História, um papel central nas ilhas britânicas. Diz-se até que o seu valor alimentício já era amplamente reconhecido em épocas pré-históricas, visto ter-se encontrado vestígios da planta nos corpos preservados pelo gelo de gentílicos primitivos. A sua importância foi especialmente realçada durante as cíclicas crises ocasionadas por invernos rigorosíssimos, guerras e pestes devastadoras e pela consequente falta de alimentos. A introdução do espinafre acabou por reduzir drasticamente a importância desta erva silvestre. Parece que em Portugal, país farto de verduras mesmo durante o inverno, nunca a fome nos obrigou a comer catassóis.

 

Chenopodium vem do grego e significa literalmente “pata de ganso” devido à configuração das suas folhas romboidais. Album provém do latim (branco) e tem a ver com uma camada farinácea que reveste a parte de baixo da folhagem, permitindo distingui-la das outras plantas da mesma família.

 

É uma herbácea verde-acinzentada muito vigorosa que coloniza rápida e densamente o solo, já que cada planta pode produzir cerca de 3 mil sementes. Cresce na vertical, ramificando-se no cimo, podendo ultrapassar 1,5 m de altura. O seu caule é estriado, as folhas são alternas e pecioladas e as pequenas flores verdes esbranquiçadas são hermafroditas.

 

A planta possui proteínas e é rica em cálcio e ferro. Também tem hidratos de carbono, provitamina A, vitamina C, saponinas, nitratos e ácido oxálico. Entre as principais propriedades fitoterapêuticas são apontadas as seguintes: laxante, nutritiva, diurética, anti-helmíntica e hepática. As folhas tenras do catassol podem ser cozidas e consumidas como as do espinafre com a vantagem de possuírem maior percentagem de cálcio. No entanto, as folhas menos jovens têm um teor mais elevado de ácido oxálico e portanto não são recomendadas a quem sofre de reumatismo, artrite ou cálculos renais. Não há bela sem senão!

 

As sementes podem ser moídas e integrar as farinhas para panificação, ou consumidas em papas de cereais, mas devemos atender ao uso de herbicidas cujos efeitos tóxicos se acumulam nos respetivos grãos. Por fim, refere-se que esta planta adventícia é um excelente bioindicador da existência de azoto e de magnésio dos terrenos de semeadura.

 

Autor: Miguel Boieiro (Sociedade Portuguesa de Naturalogia)

                                                                                                                        
Mercados Agrobio Alimentação Saudável Formação e sensibilização Apoio técnico à produção

mamaot2 ue2 ifoam Entidade Formadora Certificada - DGERT facebook_icon twitter_icon

AGROBIO

Notícias Agrobio
Quem somos
O que fazemos
Inscrição de Associados
Mural dos Associados
Press Room
Publicações
Contactos

Notícias

Agricultura Biológica

O que é a Agricultura Biológica?
12 razões para preferir biológico
4 Princípios da AB
Desenvolvimento da AB
Certificação em AB
Informação Bio
Links

Campanha +BIO

Agricultura Social

Guia do Consumidor

Mercados AGROBIO
Pontos de Venda
Terra Sã
Alimentos de Época

Formação

Produzir e Comercializar

Vantagens do apoio técnico AGROBIO
Apoio Técnico à Agricultura Biológica
Apoio à produção familiar
Projectos de investimento
Apoio ao Desenvolvimento Comercial

Aconselhamento Agrícola

Formulário de inscrição
Serviço de Aconselhamento
Copyright @ 2011 Agrobio. Todos os direitos Reservados.      SICLIK S8V2.AGROBIO.PT.1