PT   EN   

  AGROBIO [PT] > AGROBIO > Notícias Agrobio > Empresa britânica planeia libertar moscas transgénicas em Espanha

 Mural dos Associados



Noticias Classificados

  

Herdade dos Outeiros Altos recebe Rolha de Ouro 2017

No passado dia 15 de Setembro a Weinloge, uma associação de consumidores de vinho alemã, entregou o prémio da Rolha de Ouro 2017 ao associado da Agrobio "Herdade dos Outeiros Altos". É a primeira vez que este prémio é atribuído em Portugal.

Ananda - A Nova Mercearia Bio em Oeiras

A Ánanda - Mercearia Biológica é uma nova Mercearia com certificação biológica, que abriu recentemente em Oeiras, com o objetivo de fomentar o consumo sustentável, local e ético.


Empresa britânica planeia libertar moscas transgénicas em Espanha

A empresa britânica Oxitec planeia libertar para o ambiente moscas da azeitona geneticamente modificadas (GM) em Espanha (Catalunha). Os insetos são geneticamente manipulados de forma a que as larvas fêmea morram no interior das azeitonas, ao passo que os machos sobrevivem. A Oxitec planeia libertar 5000 moscas GM por semana em Espanha, perto da cidade de Tarragona. O ensaio de campo, que se prevê durar um ano, irá abranger uma área de 1000 m2 coberta por rede.

No entanto, se as moscas escaparem, elas poderão multiplicar-se sem qualquer controlo. A mosca da azeitona é uma espécie que se reproduz rapidamente num habitat favorável. Com o tempo, é previsível que a sua descendência venha a propagar-se por toda a região mediterrânica e em todos os locais em que existam populações nativas. Uma plataforma alargada das organizações mais representativas de países envolvidos, como a França, a Grécia, a Itália, Portugal e Espanha, exigem que seja totalmente proibida qualquer libertação desta mosca transgénica.

A intenção da Oxitec é que as moscas transgénicas macho se cruzem com as moscas fêmea nativas, introduzindo assim os seus transgenes artificiais nas populações nativas. Como resultado, pretende-se que as populações de mosca da azeitona nativas diminuam e se elimine o risco de prejuízo económico inerente a esta praga na produção de azeitona e azeite. Se a tecnologia for implementada tal como planeado pela Oxitec, ela poderá, ao fim de bastante tempo, conduzir à diminuição desta espécie de mosca nas áreas afetadas. A biodiversidade pode ser severamente prejudicada, com todas as potenciais consequências e efeitos colaterais no equilíbrio complexo dos ecossistemas, no ambiente e nos sistemas de produção.

Para além disso existe uma elevada probabilidade de que os transgenes artificiais acabem por se incorporar de forma permanente nas populações nativas. As moscas Oxitec são manipuladas com DNA sintético, resultante de uma mistura de organismos marinhos, bactérias, vírus e outros insetos. Embora a Oxitec afirme que as suas estirpes são geneticamente estáveis em laboratório, ninguém pode prever a estabilidade genética ou o comportamento ecológico desses insetos uma vez libertados no ambiente.

”Libertar insetos geneticamente modificados no ambiente é uma experiência perigosa que, na prática, irá transformar toda a Europa num laboratório ao ar livre. Os insetos não respeitam as fronteiras e nenhuma esterilidade é 100% eficaz. Podem escapar-se das áreas experimentais e se, como é frequente, as coisas não correrem de acordo com o planeado, será impossível terminar e conter o ensaio. E qualquer tentativa de controlo ou remoção dos insetos geneticamente modificados seria impossível, ainda mais do que no caso de plantas transgénicas”, afirma a Dr. Janet Cotter, da Unidade Científica do Greenpeace Internacional.

Margarida Silva, da Plataforma Transgénicos afirma que: "Não devemos tolerar experiências irresponsáveis que se traduzirão inevitavelmente na libertação acidental de animais transgéncios no ambiente. Com os ecossistemas planetários já sob stress, qualquer dano adicional irreversível é inaceitável. Para além disso, nenhum consumidor deseja comer azeitonas recheadas com larvas GM. É tempo de se investir em meios de proteção das culturas que sejam holísticos, sustentáveis e conjuguem os objetivos de consumidores e agricultores.”

Victor Gonzálvez, da SEAE (Sociedad Española para la Agricultura Ecológica) afirma que "A Espanha é o maior produtor mundial de azeite biológico, com uma área de 170 000 hectares. Se as azeitonas de alguma forma entrarem em contacto com as novas larvas GM os produtores biológicos podem perder a certificação e os consumidores podem perder a confiança na agricultura biológica. Além disso,o impacto da saúde humana não foi devidamente avaliado.”

“Esta tecnologia parece ter o potencial de pôr em perigo a biodiversidade, a agricultura biológica e o futuro da produção de azeitona e azeite na região mediterrânica. Presumimos que esta experiência está a ser desencadeada pelo interesse da Oxitec e dos seus investidores em tirar o máximo lucro desta tecnologia patenteada”, diz Cristoph Then, da Testbiotech. “É tempo de dar um sinal claro de que estes organismos não devem ser libertados. Em lugar algum. Nunca.”

Não é ainda claro se os ensaios foram já autorizados pelas autoridades espanholas. Se o foram, trata-se da primeira libertação de animais GM na UE desde sempre. Em 2013, o primeiro pedido da Oxitec para levar a cabo ensaios de campo em Espanha foi retirado após protestos públicos. O recente pedido foi feito em Março de 2015. No entanto, só apareceu no registo público da União Europeia na semana passada. O início da libertação está previsto para este mês de Julho de 2015.

A mosca da azeitona é conhecida por causar prejuízos económicos substanciais aos produtores de azeitona e azeite. Atualmente a mosca da azeitona é combatida com inseticidas, armadilhas para insetos, libertação de machos irradiados estéreis e mediante práticas culturais preventivas, incluindo adequada fertilização, poda e rega. Os impactos socioeconómicos dos ensaios de campo da Oxitec podem ser enormes. Por exemplo, os agricultores biológicos podem não conseguir evitar que os seus produtos entrem em contacto com estas moscas e, como tal, eles poderão conter larvas GM. Como consequência poderão perder-se mercados e, num cenário extremo, toda a colheita mediterrânica pode ser afetada se os consumidores rejeitarem esses produtos.

 

Organizações que subscrevem este comunicado: Amigos de la Tierra (Espanha), Agrobio (Portugal), BiotechWatch (Grécia), Criigen (França), Ecologistas en Acción (Espanha), Generations Futures (França), Greenpeace (Espanha), IFOAM (Bruxelas), Plataforma Andalucía Libre de Transgénicos (Espanha), Plataforma Transgénicos Fora (Portugal), Red de Semillas (Espanha), Rete Semi Rurali (Itália), Sciences Citoyennes (França), Sociedad Española para la Agricultura Ecológica, SEAE (Espanha) e Testbiotech (Alemanha)

I1062-MOSCASGM250PX.PNG

 

Mais informações:
Pedido para ensaios de campo da Oxitec: www.tinyurl.com/pdc3gaz
Mais informações sobre a tecnologia da Oxitec:  www.genewatch.org/sub-566989
Comunicados anteriores: www.testbiotech.org/node/875

                                                                                                                        
Mercados Agrobio Alimentação Saudável Formação e sensibilização Apoio técnico à produção

mamaot2 ue2 ifoam Entidade Formadora Certificada - DGERT facebook_icon twitter_icon

AGROBIO

Notícias Agrobio
Quem somos
O que fazemos
Inscrição de Associados
Mural dos Associados
Press Room
Publicações
Contactos

Notícias

Agricultura Biológica

O que é a Agricultura Biológica?
12 razões para preferir biológico
4 Princípios da AB
Desenvolvimento da AB
Certificação em AB
Links

Campanha +BIO

Agricultura Social

Guia do Consumidor

Mercados AGROBIO
Pontos de Venda
Terra Sã
Alimentos de Época

Formação

Produzir e Comercializar

Vantagens do apoio técnico AGROBIO
Apoio Técnico à Agricultura Biológica
Apoio à produção familiar
Projectos de investimento
Apoio ao Desenvolvimento Comercial

Aconselhamento Agrícola

Formulário de inscrição
Serviço de Aconselhamento
Copyright @ 2011 Agrobio. Todos os direitos Reservados.      SICLIK S8V2.AGROBIO.PT.1